A A A A A
Bible Book List

Neemias 12-13O Livro (OL)

Lista de sacerdotes e levitas

12 Eis uma lista dos sacerdotes que acompanharam Zorobabel (filho de Sealtiel) e Jesua: Seraías, Jeremias, Esdras, 2/7 Amarias, Maluque, Hatús, Secanias, Reum, Meremote, Ido, Ginetói, Abias, Miamim, Maadias, Bilga, Semaías, Joiaribe, Jedaías, Salú, Amoque, Hilquias, Jedaías.

Os levitas que foram com eles: Jesua, Binui, Cadmiel, Serebias, Judá, Matanias; este último tinha o encargo de dirigir os cânticos de louvor. Baquebuquias e Uno, seus irmãos de clã, assistiam-no nesse serviço.

10/11 Jesua foi pai de Joiaquim; Joiaquim foi pai de Eliasibe; Eliasibe foi pai de Joiada; Joiada foi pai de Jónatas; Jónatas foi pai de Jadua.

12/21 A seguir indicam-se os chefes de clã dos sacerdotes que serviram sob o sumo sacerdote Joiaquim:

Meraías, líder do clã de Seraías;
Hananias, líder do clã de Jeremias
Mesulão, líder do clã de Esdras;
Jeoanã, líder do clã de Amarias;
Jónatas, líder do clã de Maluque;
José, líder do clã de Sebanias;
Adna, líder do clã de Harim;
Helcai, líder do clã de Meraiote;
Zacarias, líder do clã de Ido;
Mesulão, líder do clã de Ginetom;
Zicri, líder do clã de Abias;
Piltai, líder dos clãs de Miniamim e de Moadias;
Samua líder do clã de Bilga;
Jeónatas, líder do clã de Semaías;
Matenai, líder do clã de Joiaribe;
Uzi, líder do clã de Jedaías;
Calai, líder do clã de Salai;
Eber, líder do clã de Amoque;
Hasabias, líder do clã de Hilquias;
Netanel, líder do clã de Jedaías.

22/23 Um relato genealógico dos cabeças de clãs dos sacerdotes e levitas foi compilado durante o reinado de Dario da Pérsia, nos dias de Eliasibe, de Joiada, de Joanã e de Jadua — todos eles levitas. No livro das crónicas os nomes dos levitas foram inscritos até aos dias de Jeoanã, filho de Eliasibe.

24 Eram estes os chefes dos levitas nessa altura: Hasabias, Serebias e Jesua (filho de Cadmiel). Os seus irmãos de clã auxiliavam-nos durante as cerimónias de louvor e de agradecimento, tal como foi ordenado por David, o homem de Deus.

25 Os porteiros que tinham o cargo de organizar os locais de recepção das colectas, nas entradas, eram: Matanias, Baquebuquias, Obadias, Mesulão, Talmom e Acube.

26 Todos estes eram os homens activos durante o tempo de Joiaquim (filho de Jesua, filho de Josadaque) e também ao tempo em que eu era governador, e que Esdras era sacerdote e escriba.

A consagração da muralha

27/30 Durante a consagração da nova muralha de Jerusalém, todos os levitas de toda a terra vieram a Jerusalém para assistir às cerimónias e tomar parte nessa festa com alegria e com os seus louvores, acompanhados com címbalos, liras e harpas. Os membros do coro também vieram a Jerusalém das localidades vizinhas e das aldeias dos auxiliares do templo; vieram igualmente de Bete-Gilgal, da área de Geba e de Azmavete, porque os cantores tinham construído as suas próprias aldeias nos subúrbios de Jerusalém. Os sacerdotes e os levitas consagraram-se primeiro a si mesmos, depois consagraram o povo, as portas e a muralha.

31/34 Levei os chefes judeus e dois coros para cima da muralha e dividi-os em duas longas colunas, andando em direcções opostas por cima da muralha, dando louvores com gratidão enquanto iam andando. O grupo que ia para a direita, em direcção da porta do Monturo, consistia em metade dos chefes de Judá, e incluíam Hosaías, Azarias, Esdras, Mesulão, Judá, Benjamim, Semaías, e Jeremias.

35/37 Os sacerdotes que tocavam as trombetas eram Zacarias (filho de Jónatas e cuja ascendência era: Semaías, Matanias, Micaías, Zacur, e Asafe) e ainda Semaías, Azarel, Milalai, Gilalai, Maai, Netanel, Judá e Hanani. (Usavam os instrumentos originais de música do rei David.) Esdras o sacerdote encabeçava o cortejo. Quando chegaram à porta da Fonte, continuaram em frente, subiram as escadas do castelo até à velha cidade de David; depois seguiram até à porta da Água, a oriente.

38/39 O outro grupo, do qual eu próprio fazia parte, foi no outro sentido ao encontro do primeiro. Deslocou-se a partir da torre dos Fornos até ao muro Largo; depois, desde a porta de Efraim até à porta Velha; passámos a porta do Peixe e a torre de Hanael e prosseguimos até à porta da Torre dos Cem; avançámos à porta das Ovelhas e parámos à porta da Prisão.

40/41 Após isso os dois coros foram para o templo. Os que estavam comigo encontraram-se com os sacerdotes tocando as trombetas, que eram: Eliaquim, Maaseías, Miniamim, Micaías, Elioenai, Zacarais e Hananias; 42 e também os cantores Maaséias, Semaías, Eleazar, Uzi, Jeoanã, Malquias, Elã e Ezer. Os coros cantaram, forte e claramente, sob a direcção de Jezraías.

43 Muitos sacrifícios foram oferecidos nessa alegre jornada, porque Deus nos tinha dado razões de grande regozijo. Também as mulheres e as crianças se alegravam; e todo o ruído dessa grande manifestação se ouvia até muito longe!

44/45 Nesse dia foram designados homens encarregados dos cofres, das ofertas alçadas, dos dízimos, dos primeiros frutos oferecidos, e da colecta destes donativos junto dos agricultores, conforme mandado nas leis de Moisés. Estas ofertas eram destinadas aos sacerdotes e levitas, como expressão do apreço em que o povo de Judá tinha o serviço que executavam. Também o serviço dos cantores e dos porteiros era tido em muita consideração — estes homens assistiam os outros no culto a Deus e no cumprimento das cerimónias de purificação, tal como requerido na leis de David e do seu filho Salomão. 46/47 (Foi nos dias de David e de Asafe que se iniciou o costume de haver directores que conduzissem o coro com hinos de louvor e de gratidão a Deus.) Assim agora, nos dias de Zorobabel e de Neemias, o povo trazia um fornecimento diário de comida para os membros do coro, para os porteiros e para os levitas. Estes últimos, por sua vez, davam aos sacerdotes uma parte do que tinham recebido.

Reformas finais de Neemias

13 Nesse mesmo dia, enquanto eram lidas as leis de Moisés, o povo reparou numa passagem em que se dizia que nunca deveriam ser aceites nos actos de culto do templo os amonitas nem os moabitas. Porque esses povos não tinham tido uma atitude amigável para com o povo de Israel. Pelo contrário, compraram os serviços de Balaão para que os amaldiçoasse, ainda que Deus tivesse mudado essa maldição em bênção. Portanto, quando essa proibição foi lida, todos os estrangeiros foram imediatamente mandados retirar da assembleia.

4/5 Antes disso acontecer, o sacerdote Eliasibe, que fora designado como encarregado das câmaras do templo, tinha transformado uma das câmaras de despensa num belo quarto para receber Tobias, um homem de quem era muito amigo. Essa divisão tinha sido anteriormente reservada para armazenamento de ofertas de cereais, de incenso, dos recipientes, dos dízimos de cereais, de vinho novo e do azeite. Moisés decretara que essas ofertas pertencessem aos levitas, aos membros do coro e aos porteiros. As ofertas alçadas é que seriam para os sacerdotes.

Eu não estava em Jerusalém nessa ocasião, porque voltara a Babilónia no ano trinta e dois do reinado de Artaxerxes; embora tivesse mais tarde recebido ordem de regressar novamente a Jerusalém. 7/9 Pois quando cheguei outra vez a Jerusalém e soube dessa acção indigna de Eliasibe — de preparar um quarto de hóspede para Tobias no templo — fiquei deveras desagradado; fui lá, lancei fora todo o mobiliário e coisas pertencentes a Tobias. Depois mandei que fosse todo limpo e que pusessem de novo lá os recipientes do templo com as ofertas de cereais e o incenso.

10 Também soube que não se tinha dado aos levitas o que lhes era devido, e que por isso tanto eles como os membros do coro tinham voltado às suas terras no campo. 11 Imediatamente me dirigi aos chefes, perguntando-lhes porque é que fora descurado o templo. Tornei pois a chamar os levitas e reorganizei as suas funções respectivas. 12 De novo o povo de Judá tornou a trazer os seus dízimos dos cereais, do vinho novo e do azeite para os cofres do templo.

13 Pus Selemias o sacerdote, Zadoque o escriba e Pedaías o levita como encarregados de administrar esse armazenamento. Também designei Hanã (filho de Zacur, filho de Matanias) como seu assistente. Estes homens tinham uma excelente reputação, e o seu trabalho consistia em fazer uma distribuição equitativa desses dons pelos seus irmãos levitas.

14 Ó meu Deus, lembra-te destas coisas boas que fiz;
não te esqueças de tudo o que fiz pelo templo.

15/16 Um dia, estava eu numa propriedade rural e vi alguns homens pisando uvas; era um sábado. Também carregavam com fardos, punham sobre jumentos carregamentos de vinho, de uvas, de figos e de toda a espécie de mercadorias que levavam nesse mesmo dia para Jerusalém. Opus-me então veementemente a tudo isso. Havia até gente que vinha de Tiro vender peixe e outras coisas aos sábados, ao povo de Jerusalém.

17/18 Então perguntei aos chefes de Judá: “Porque é que profanam o sábado? Não bastou que os vossos antepassados fizessem essa espécie de coisas e que tivessem trazido sobre nós os males que nós conhecemos e que a nossa cidade sofreu? E agora fazem cair sobre o povo de Israel mais ira de Deus, permitindo profanar o sábado desta forma!” 19 A partir de então ordenei que as portas da cidade se fechassem assim que escuresse, desde sexta-feira à noite e só tornassem a ser abertas quando terminasse o período do sábado. Enviei mesmo alguns elementos da minha guarda para que mercadoria alguma fosse trazida durante o sábado. 20/21 Os mercadores e comerciantes ainda insistiram, ficando fora das muralhas durante uma ou duas noites de sábado, mas eu falei-lhes severamente: “Que estão aí a fazer acampados à volta das muralhas? Se tornaram a voltar aqui, mando-vos prender.” E foi a última vez que apareceram aos sábados. 22 Mandei aos levitas que se purificassem cerimonialmente e que guardassem as portas a fim de preservar a santidade do sábado.

Lembra-te, ó meu Deus, destes bons actos que pratiquei.
E tem compaixão de mim segundo a tua grande bondade.

23/24 Pela mesma altura constatei que alguns judeus se tinham casado com mulheres de Asdode, de Amom e de Moabe, e que muitos dos seus filhos falavam na língua dos asdoditas e não percebiam nada da língua de Judá! 25 Então adverti duramente esses pais e lembrei-lhes que estavam sob a maldição de Deus; tive mesmo que castigar alguns e que lhes puxar pelos cabelos. Fi-los jurarem que não deixariam mais casar filhos seus com gente que não fosse judia.

26/27 “Não foi esse exactamente o problema do rei Salomão?” perguntei. “Não houve soberano que se lhe comparasse. Deus o amou e fê-lo rei sobre Israel; pois mesmo assim não se deixou levar para a idolatria pelas mulheres estrangeiras? Não pensem que vos deixaremos à vontade continuando a prevaricar num assunto tão importante como este!”

28 Um dos filhos de Joiada (filho de Eliasibe, o sumo sacerdote) era genro de Sanbalate, o horonita; por isso o excluí do templo.

29 Lembra-te deles, ó meu Deus, pois profanaram o sacerdócio
e as promessas e votos dos sacerdotes e dos levitas.

30/31 Assim suprimi a presença dos estrangeiros. Designei os cargos dos sacerdotes e dos levitas, verificando que cada um desempenharia com eficiência a sua função. Forneciam madeira para o altar, no momento preciso, e ocupavam-se dos sacrifícios e também das ofertas de primícias, em cada época de colheita.

Lembra-te de mim, ó meu Deus,
de acordo com a tua misericórdia.

O Livro (OL)

O Livro Copyright © 2000 by Biblica, Inc.® Used by permission. All rights reserved worldwide.

  Back

1 of 1

You'll get this book and many others when you join Bible Gateway Plus. Learn more

Viewing of
Cross references
Footnotes