A A A A A
Bible Book List

Deuteronômio 24-27O Livro (OL)

Normas sobre vários domínios

24 “Se um homem se desgostar de qualquer coisa na sua mulher poderá escrever um documento em como declara que a divorcia; e depois de lho entregar pode mandá­la embora. Se ela depois tornar a casar, e se esse segundo marido também se divorciar dela ou se morrer, o primeiro não poderá casar segunda vez com ela porque ela se tornou impura; seria pois coisa que traria culpa para a terra que o Senhor vosso Deus vos dá.

Um homem casado recentemente não será mobilizado para a guerra, nem lhe serão dadas responsabilidades especiais; durante um ano inteiro ficará em sua casa livre dessas coisas, para que a sua mulher se alegre na sua companhia.

Não será permitido tomar em penhor um moinho, nem sequer a mó; seria penhorar a própria vida, pois é aquilo de que o dono depende para viver.

Se alguém raptar um seu irmão israelita como refém, para com ele negociar ou para o vender como escravo, terá de morrer, para assim se expurgar o mal do vosso meio.

8/9 Tenham muito cuidado em seguir as indicações do sacerdote nos casos de lepra, pois que lhe dei regras e indicações que deverão obedecer à letra. Lembrem­se daquilo que o Senhor vosso Deus fez a Miriam quando vinham do Egipto.

10/13 Se emprestarem alguma coisa a outra pessoa, não poderão entrar­lhe na casa para se apoderarem de um penhor ou reaverem o que emprestaram. Ficarão de fora, e será o dono da casa que vos trará o que vos pertence. Se o homem for pobre e não puder dar­vos mais do que o próprio cobertor com que se cobre, vocês não podem dormir sob ele. Devolvam­lho logo que se ponha o Sol, para que possa usá­lo durante a noite, e abençoar­vos. O Senhor vosso Deus tomará isso como um acto de justiça a vosso favor.

14/15 Nunca oprimam um trabalhador pobre no vosso meio, seja ele um vosso irmão israelita, seja um imigrante vivendo da vossa terra. Paguem­lhe o seu salário cada dia e antes que o Sol se ponha, pois que sendo pobre precisa dele logo; doutra forma poderá clamar ao Senhor contra vocês e isso será tido em conta como um pecado vosso.

16 Os pais não poderão ser mortos por causa dos pecados dos filhos, nem os filhos pelos dos pais. Cada pessoa que mereça morrer sê­lo­á em razão dos seus próprios crimes.

17/18 Deverão fazer justiça aos imigrantes e aos órfãos, e nunca aceitar a roupa de uma viúva como penhor duma dívida dela. Lembrem­se sempre de que vocês foram escravos no Egipto, e de que o Senhor vosso Deus vos resgatou dali; é por isso que vos dou este mandamento.

19/22 Se, quando ceifarem a vossa seara, deixarem cair distraidamente um molho, ou se tiverem esquecido dele no campo, não voltem atrás para ir buscá­lo. Deixem­no para os estrangeiros, imigrantes, para os órfãos e viúvas; assim o Senhor vos abençoará e vos fará prosperar. Da mesma forma, quando sacudirem as oliveiras não insistam em fazê­lo duas vezes; deixem algumas que ficarem para os imigrantes, para os órfãos e para as viúvas. O mesmo ainda quanto às uvas das vossas vinhas; não vindimem tudo com exagerado cuidado, mas deixem aquilo que tiver ficado ocasionalmente para os que vivem necessitados. Lembrem­se de que foram escravos na terra do Egipto, e que é por isso que vos dou este mandamento.”

25 1/2 “Se uma pessoa for culpada de um crime e o castigo consistir em ser açoitado, o juiz mandará que o culpado se deite e que seja açoitado na sua presença, até quarenta açoites, em relação com a gravidade da sua falta; mas não lhe darão mais de quarenta açoites, para que o vosso irmão não se sinta envilecido na vossa presença.

Não atarão a boca do boi enquanto trilha o grão.

5/6 Se o irmão de um homem morrer sem ter filhos, a viúva não deverá casar fora dessa família; o irmão do seu falecido marido casará com ela e tomá­la­á por mulher. O primeiro filho que ela tiver será tido como filho do falecido, para que o seu nome não seja esquecido. 7/10 Contudo, se o irmão do homem que morreu recusar cumprir com o seu dever neste caso, e não quiser tomar por mulher a viúva, então ela irá ter com os anciãos da povoação e lhes dirá: ‘O irmão do meu falecido marido recusa dar continuidade ao nome do seu irmão, não quer casar comigo.’ Os anciãos convocá­lo­ão, conversarão com ele, e se a sua decisão se mantiver, a viúva dirigir­se­á a ele na frente dos anciãos, tira­lhe a sandália do pé e cospe­lhe no rosto. E dirá: ‘Isto é o que acontece àquele que recusa dar continuidade à casa do seu irmão.’ E a partir de então a sua casa será considerada como ‘a casa do homem a quem descalçaram a sandália‘!

11/12 Se dois homens estiverem a lutar um contra o outro e se a mulher de um deles, para intervir a favor do seu marido, agarrar nos testículos do outro, a sua mão deverá ser cortada, sem piedade!

13/16 Em todas as vossas transações deverão usar medidas justas, pesos correctos, para que tenham uma vida longa e boa na terra que o Senhor vosso Deus vos dá. Todo aquele que engana por meio de pesos e de medidas falsificadas é detestado pelo Senhor vosso Deus.

17/19 Não se esqueçam nunca daquilo que vos fez Amaleque, quando vinham do Egipto. Lembrem­se de que ele vos combateu e abateu todos os que estavam fracos e cansados, que se deixaram ficar para a retaguarda. Amaleque não teve respeito nem temor de Deus. Por isso quando o Senhor vosso Deus vos tiver dado descanso em relação aos vossos inimigos na terra prometida, deverão apagar totalmente tudo o que lembre o nome de Amaleque, debaixo do céu. Nunca mais se esqueçam disto.”

Os primeiros frutos e os dízimos

26 “Quando chegarem à terra, depois de a terem conquistado, e quando começarem a viver lá, 2/3 deverão apresentar ao Senhor no seu santuário os primeiros frutos de cada colheita anual. Tragam­nos num cesto e entreguem ao sacerdote em exercício nessa altura e digam­lhe: ‘Estes dons são a prova do meu agradecimento ao Senhor meu Deus por me ter trazido à terra que prometeu aos meus antepassados’. 4/11 O sacerdote tomará então o cesto da vossa mão e o porá diante do altar. Dirão então diante do Senhor vosso Deus: ‘Os meus antepassados eram emigrantes arameus que foram para o Egipto procurando refúgio. Eram pouco numerosos mas tornaram­se uma poderosa nação. Os egípcios maltrataram­nos e nós gritámos pelo auxílio do Senhor Deus. Ele ouviu­nos, viu a nossa aflição, a nossa miséria, a opressão em que vivíamos, e tirou­nos de lá por meio de poderosos milagres, com a instrumentalidade da sua potente mão, e trouxe­nos para este lugar, dando­nos esta terra na qual brota leite e mel! Agora, Senhor, como vês, trouxemos­te este símbolo dos primeiros frutos da terra que nos deste.’ Porão então esses frutos na presença do Senhor vosso Deus e o adorarão. Após isso vão e façam uma festa, alegrando­se por todas as coisas que o Senhor vos deu. Comemorem com a vossa família, com os levitas e com os estrangeiros que vivam no vosso meio.

12/14 De três em três anos haverá um dízimo especial. Nesse ano deverão dar todos os vossos dízimos aos levitas, aos imigrantes, aos órfãos e às viúvas para que fiquem satisfeitos. Declararão então perante o Senhor vosso Deus: ‘Dei todos os meus dízimos aos levitas, aos imigrantes, aos órfãos e às viúvas, tal como me ordenaste; não esqueci nem violei nenhum dos teus regulamentos. Não toquei em nenhum dízimo enquanto estava cerimonialmente impuro, por exemplo quando estava de luto, nem ofereci disso pela memória dum morto. Obedeci ao Senhor meu Deus e fiz tudo o que me mandaste. 15 Olha desde a tua santa habitação no céu e abençoa o teu povo mais a terra que nos deste, tal como prometeste aos nossos pais; faz dela uma terra que brote leite e mel!’

Obediência aos mandamentos do Senhor

16/17 Deverão obedecer de todo o coração a todos estes mandamentos e regulamentos que o Senhor vosso Deus vos dá hoje. Declararam hoje que ele é o vosso Deus e prometeram obedecer­lhe e guardar as suas leis e ordenações, cumprindo tudo o que vos diz para fazerem. 18/19 Por seu lado, o Senhor declara também hoje que vocês são o seu próprio povo, tal como tinha prometido antes, e que deverão obedecer às suas leis. Se assim fizerem, fará de vocês a maior nação de entre todas as outras e receberão louvores, honra e fama; contudo, para poder atingir essa fama e prestígio terão de ser um povo santo para o Senhor vosso Deus; é isso que ele requer de vocês.’”

O altar no monte Ebal

27 Então Moisés e os anciãos de Israel deram ainda mais estas instruções ao povo, para que as cumprissem: 2/8 “Quando passarem para o lado de lá do rio Jordão e entrarem na terra prometida — essa terra na qual brotam leite e mel — peguem em blocos de pedra, tirados do próprio leito do rio, e levantem um monumento na outra margem, no monte Ebal; cubram­nas com cal e escrevam nelas as leis de Deus. Construam ali um altar ao Senhor vosso Deus. Empreguem para isso pedras não talhadas, e ofereçam sobre esse altar holocaustos ao Senhor vosso Deus. Sacrifiquem ofertas de paz e celebrem uma festa com grande júbilo na presença do Senhor vosso Deus. Escrevam pois todas estas leis com toda a clareza.”

Maldição do monte Ebal

9/10 Depois Moisés e os sacerdotes levitas dirigiram­se a todo Israel desta maneira. “Israelitas, ouçam bem! Hoje tornaram­se o povo do Senhor vosso Deus, por isso a partir de hoje devem começar a obedecer a todos estes mandamentos que vos dei.”

11 Nesse mesmo dia Moisés deu esta ordem ao povo: 12/14 “Quando tiverem passado para a terra prometida, as tribos de Simeão, de Levi, de Judá, de Issacar, de José e de Benjamim pôr­se­ão sobre o monte Gerizim para proclamar uma bênção ao povo, e as outras tribos de Rúben, de Gad, de Aser, de Zebulão, de Dan e de Naftali estarão no monte Ebal para proclamarem uma maldição. Os levitas colocar­se­ão entre eles e gritarão assim a todo o Israel:

15 ‘Maldito quem fizer e adorar um ídolo, mesmo em segredo, seja ele esculpido em madeira ou feito de metal fundido — porque o Senhor odeia esses deuses feitos pela mão do homem’.
        E todo o povo responderá: ‘Que assim seja’.
16 ‘Maldito é quem desprezar o seu pai ou a sua mãe.’
        E todo o povo responderá: ‘Que assim seja’.
17 ‘Maldito é quem alterar as marcas que distinguem o seu campo do do vizinho.’
        E todo o povo responderá: ‘Que assim seja’.
18 ‘Maldito é quem se aproveita dum cego e o explora.’
        E todo o povo responderá: ‘Que assim seja’.
19 ‘Maldito é quem for injusto para com um estrangeiro, um órfão ou uma viúva.’
        E todo o povo responderá: ‘Que assim seja’.
20 ‘Maldito é quem comete adultério com uma das mulheres do seu pai, visto que ela pertence ao pai.’
        E todo o povo responderá: ‘Que assim seja’.
21 ‘Maldito é quem tiver relação sexual com um animal.’
        E todo o povo responderá: ‘Que assim seja’.
22 ‘Maldito é quem tiver relações sexuais com a sua irmã, mesmo que se trate de sua meia­irmã.’
        E todo o povo responderá: ‘Que assim seja’.
23 ‘Maldito é quem tiver relações sexuais com a sua sogra.’
        E todo o povo responderá: ‘Que assim seja’.
24 ‘Maldito é quem assassinar, secretamente, outra pessoa.’
        E todo o povo responderá: ‘Que assim seja’.
25 ‘Maldito é quem aceitar uma paga para matar uma pessoa inocente.’
        E todo o povo responderá: ‘Que assim seja’.
26 ‘Maldito é quem não obedece a estas leis.’
        E todo o povo responderá: ‘Que assim seja’.”

O Livro (OL)

O Livro Copyright © 2000 by Biblica, Inc.® Used by permission. All rights reserved worldwide.

  Back

1 of 1

You'll get this book and many others when you join Bible Gateway Plus. Learn more

Viewing of
Cross references
Footnotes