A A A A A
Bible Book List

Atos 9-10O Livro (OL)

A conversão de Saulo

1/2 Entretanto, Saulo, ameaçador e desejoso de destruir todos os discípulos do Senhor, dirigiu­se ao supremo sacerdote, em Jerusalém, pedindo­lhe que lhe fosse passada uma carta credencial dirigida às sinagogas de Damasco, exigindo a cooperação destas na perseguição de quaisquer seguidores do Caminho que Saulo aí encontrasse, tanto homens como mulheres, para que pudesse levá­los acorrentados para Jerusalém.

3/4 Ao aproximar­se de Damasco no cumprimento desta missão, uma luz brilhante vinda do céu fixou­se, de súbito, sobre ele. Caindo no chão, ouviu uma voz que lhe dizia: “Saulo, Saulo, por que me persegues?”

5/6 “Quem és tu, Senhor?”, perguntou.

“Sou Jesus, aquele a quem tu persegues! Levanta­te, vai para a cidade e espera por instruções minhas.”

Os homens que acompanhavam Saulo ficaram mudos de surpresa, pois ouviam uma voz mas não viam ninguém. 8/9 Quando Saulo se levantou, verificou que deixara de ver. Tiveram de o levar pela mão até Damasco, onde ficou três dias sem comer nem beber.

10 Ora, havia em Damasco um discípulo chamado Ananias, a quem o Senhor falou numa visão, chamando­o: “Ananias!”

“Aqui estou, Senhor!”, respondeu.

11/12 O Senhor disse: “Vai à rua Direita, procura em casa de Judas um homem chamado Saulo de Tarso. Neste momento está ele a orar, pois mostrei­lhe em visão alguém chamado Ananias que deverá procurá­lo e que porá as mãos sobre ele para que torne a ver!”

13/14 “Mas, Senhor”, exclamou Ananias, “contaram­me coisas terríveis que este homem fez aos crentes de Jerusalém! E consta que tem mandatos de prisão, passados pelos principais dos sacerdotes, autorizando­o a prender, em Damasco, todos os que invocam o teu nome!”

15/16 O Senhor insistiu: “Vai, pois Saulo é o meu instrumento escolhido para levar a minha mensagem às nações e até à presença dos reis, bem como ao povo de Israel. E mostrar­lhe­ei quanto ele deverá sofrer por mim.”

17 Ananias obedeceu. Na presença de Saulo, pôs as mãos sobre ele e disse­lhe: “Irmão Saulo, o Senhor Jesus, que te apareceu no caminho, enviou­me para que sejas cheio do Espírito Santo e tornes a ver”. 18 Imediatamente, caindo­lhe como que umas escamas dos olhos, Saulo recuperou a vista, e, levantando­se, foi baptizado. 19 E, depois de comer, renovou as forças.

Saulo em Damasco e em Jerusalém

Saulo ficou com os crentes de Damasco durante alguns dias, 20 indo logo à sinagoga anunciar as boas novas a respeito de Jesus, afirmando que ele era na verdade o Filho de Deus!

21 E todos quantos o escutavam ficavam pasmados: “Não é este o homem que perseguia os seguidores de Jesus em Jerusalém? E consta que veio cá para os prender e levá­los acorrentados aos principais dos sacerdotes!”

22 As pregações de Saulo eram cada vez mais fervorosas, e os judeus de Damasco não conseguiam refutar às provas que ele apresentava de como Jesus era o Cristo. 23 Uns tempos depois, os judeus resolveram matá­lo. 24 Mas Saulo foi informado dos seus planos e de que vigiavam as portas da cidade dia e noite prontos a tirar­­lhe a vida. 25 Assim, durante a noite, alguns dos que se haviam convertido por seu intermédio passaram­no para fora, baixando­o numa cesta pela muralha da cidade.

26/27 Chegando a Jerusalém, tentou pôr­se em contacto com os crentes, mas todos tinham medo dele, pensando que fosse um impostor. Barnabé conduziu­o junto dos apóstolos e contou­lhes como Saulo vira o Senhor na estrada de Damasco e o que o Senhor lhe dissera, mencionando também as suas poderosas pregações em nome de Jesus, em Damasco. 28/30 Aceitaram­no então, e a partir daí Saulo andava sempre com os crentes, pregando com coragem em nome do Senhor. Mas alguns judeus de língua grega, com os quais ele discutira, combinaram assassiná­lo. Quando os outros crentes souberam do perigo que corria, levaram­no para Cesareia, enviando­o depois para a sua terra em Tarso.

31 Entretanto, a igreja vivia em paz em toda a Judeia, Galileia e Samaria, crescendo com força e em número. Os crentes aprendiam a caminhar no temor do Senhor e na força do Espírito Santo.

Eneias e Dorcas

32 Pedro viajava de terra em terra, e foi ver os crentes da cidade de Lida.

33/35 Aí encontrou um homem chamado Eneias, paralisado e incapaz de sair do leito havia oito anos. Pedro disse­lhe: “Eneias, Jesus Cristo dá­te saúde. Levanta­te e faz a tua cama!” O homem ficou logo bom, e toda a população de Lida e Sarona voltou­se para o Senhor ao ver Eneias a andar normalmente.

36/38 Havia na cidade de Jope uma mulher discípula chamada Tabita, uma crente que estava sempre a fazer bem aos outros, especialmente aos pobres. Por esta altura, Tabita adoeceu e morreu. As pessoas suas amigas prepararam­na para o funeral e puseram­na num quarto superior. Ao saberem que Pedro se encontrava ali perto em Lida, mandaram dois homens pedir­lhe que fosse com eles a Jope.

39 Pedro assim fez, e logo que chegou levaram­no ao quarto onde Tabita se encontrava. O compartimento estava cheio de viúvas que choravam e mostravam as túnicas e outra roupa que Tabita lhes fizera. 40 Mas Pedro, pedindo a todos que saíssem do quarto, ajoelhou­se, orou e voltando­se para o corpo disse: “Levanta­te, Tabita!”, e ela abriu os olhos. Quando viu Pedro, sentou­se. 41 Pedro estendeu­lhe a mão, ajudou­a a pôr­se de pé e, chamando os crentes e as viúvas, apresentou­lhes a ressuscitada.

42 A notícia espalhou­se rapidamente pela cidade, e foram muitos os que creram no Senhor. 43 Pedro ficou ainda durante muito tempo em Jope, vivendo com Simão o curtidor.

Cornélio procura Pedro

10 1/2 Vivia em Cesareia um homem chamado Cornélio, capitão de um regimento italiano. Era um homem piedoso, respeitador das coisas de Deus, como o era também toda a sua casa. Dava generosamente aos pobres e era um homem que orava com regularidade a Deus. Certa tarde — seriam umas três horas — teve claramente uma visão em que um anjo de Deus se aproximava dele. “Cornélio!”, disse­lhe o anjo.

Cornélio olhou­o cheio de medo: “Que queres, Senhor?”

O anjo respondeu: “As tuas preces e a tua generosidade não têm passado despercebidas a Deus! 5/6 Envia, pois, alguns homens a Jope para procurarem Simão Pedro, que está com Simão o curtidor, junto à praia, e pede­lhe que venha visitar­te.”

7/8 Logo que o anjo se foi embora, Cornélio chamou dois dos seus criados e um soldado também crente em Deus, que pertencia à sua guarda pessoal, e, contando­lhes o que acontecera, mandou­os a Jope.

A visão de Pedro

9/13 No dia seguinte, quando eles se aproximavam da cidade, Pedro subiu ao terraço para orar. Era meio­dia e tinha fome, mas, enquanto se preparava o almoço, teve uma visão. Viu o céu aberto e um grande pano, pendurado pelos quatro cantos, pousar no chão. Dentro havia toda a espécie de animais, serpentes e aves. Uma voz disse: “Mata e come qualquer destes animais.”

14 “Nunca, Senhor”, declarou Pedro. “Jamais comi o que quer que seja considerado impuro pelas nossas leis judaicas.”

15 E a voz tornou a dizer­lhe: “Não consideres impuro o que Deus tornou limpo!” 16 A mesma visão se repetiu três vezes, até que o pano foi de novo puxado para o céu.

17/18 Pedro ficou a pensar naquilo. Que queria dizer semelhante visão? Que deveria ele fazer? Nesse momento os homens mandados por Cornélio, tendo encontrado a casa, chegavam­se à porta perguntando se era ali que estava Simão Pedro. 19/20 Entretanto, enquanto Pedro cismava na visão, o Espírito Santo disse­lhe: “Vieram três homens para falar contigo. Desce, vai ao encontro deles e acompanha­os. Não receies; fui eu que os mandei.”

21 Pedro desceu e apresentou­se: “Sou o homem que procuram. Que querem de mim?”

22 Eles falaram­lhe em Cornélio, o oficial romano, homem bom e piedoso, com prestígio entre os judeus, que recebera instruções de um anjo para pedir a Pedro que lhe fosse dizer o que queria Deus que ele fizesse. 23 Pedro então convidou­os a entrar, e passaram a noite em sua casa.

Pedro em casa de Cornélio

No dia seguinte foi com eles, acompanhado por alguns outros crentes de Jope. 24 Chegaram a Cesareia no outro dia; Cornélio esperava­o já na companhia de parentes e amigos íntimos. 25/26 Cornélio, logo que Pedro entrou na sua casa, lançou­se­lhe aos pés para o adorar mas Pedro impediu­o: “Levanta­te, que sou um homem como tu!” 27 Cornélio levantou­se e conversaram juntos e entraram para dentro onde os outros estavam reunidos.

28 Pedro disse­lhes: “Sabem que é contra as leis judaicas eu entrar assim num lar de estrangeiros. Mas Deus mostrou­me numa visão que nunca deveria considerar alguém meu inferior. 29 Apressei­me pois a vir, e agora digam­me porque me mandaram vir.”

30 Cornélio respondeu: “Há quatro dias, estava eu a orar como de costume às três horas da tarde, quando me apareceu um homem com roupas brilhantes 31 que me disse: ‘Cornélio, as tuas orações são ouvidas e Deus reparou nos teus actos de caridade. 32 Envia alguns homens a Jope e manda vir Simão Pedro, que está a ficar em casa de Simão o curtidor, que mora perto do mar’. 33 Assim, mandei­te vir imediatamente, e fizeste bem em vir depressa. Estamos todos presentes diante de Deus, ansiosos por ouvir o que ele te mandou dizer­nos!”

34 E Pedro respondeu: “Vejo bem que os judeus não são os únicos favoritos de Deus! 35 Ele aceita pessoas de todas as nações que o temem e fazem o que é justo. 36/37 Estou certo de que ouviram as boas novas dirigidas ao povo de Israel: que há paz com Deus por Jesus Cristo, Senhor de toda a criação. Esta mensagem espalhou­se por toda a Judeia, começando na Galileia depois do baptismo que João pregou. 38 E sabem, sem dúvida, como Deus ungiu Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e poder, andando por toda a parte a praticar o bem e a curar os que estavam sob o poder do Diabo, pois Deus estava com ele.

39/43 Nós, apóstolos, somos testemunhas de tudo o que ele fez em Israel e Jerusalém, onde o mataram numa cruz. Mas Deus tornou a dar­lhe a vida três dias mais tarde e mostrou­o a certas testemunhas que tinha já escolhido; não ao povo em geral, mas a nós, que comemos e bebemos com ele depois de ter ressuscitado dos mortos. Mandou­nos pregar as boas novas, e dar testemunho de que Jesus foi mandado por Deus para ser juiz dos vivos e dos mortos. E todos os profetas escreveram a seu respeito, dizendo que quem nele crê terá perdoados os pecados, pelo seu nome.”

44/46 Enquanto Pedro dizia estas coisas, o Espírito Santo desceu sobre quantos o escutavam. Os judeus que tinham ido com Pedro ficaram pasmados ao verem que o dom do Espírito Santo tenha sido derramado também sobre os gentios; e ouviam­nos falar em línguas diferentes, louvando Deus.

47 Pedro perguntou então: “Poderá alguém opor­se a que sejam baptizados, agora que receberam o Espírito Santo tal como nós?” 48 E assim deu ordem que fossem baptizados em nome de Jesus Cristo. Depois Cornélio pediu­lhe que ficasse em sua casa durante vários dias.

O Livro (OL)

O Livro Copyright © 2000 by Biblica, Inc.® Used by permission. All rights reserved worldwide.

  Back

1 of 1

You'll get this book and many others when you join Bible Gateway Plus. Learn more

Viewing of
Cross references
Footnotes