A A A A A
Bible Book List

2 Samuel 22-24 O Livro (OL)

Cântico de David

(Sl 18.1-50)

22 David compôs este cântico para o Senhor após ter sido salvo por ele das mãos de Saul e dos seus outros inimigos:

“O Senhor é o meu rochedo,
o meu lugar forte e o meu libertador.
Esconder-me-ei em Deus
que é o meu rochedo e o meu alto retiro.
Ele é o meu escudo, o poder da minha salvação
e o meu refúgio.
Ó meu Salvador, tu me livras da violência.

Invocarei o Senhor que é digno de todo o louvor;
salvar-me-á de todos os meus adversários.
Ondas de morte me cercaram;
torrentes de maldade desabaram sobre mim.
Fui ligado e atado por laços do mundo dos mortos
e por ciladas da morte.

Clamei pelo Senhor, meu Deus, na minha tribulação,
e ele ouviu-me desde o seu templo;
o meu clamor chegou aos seus ouvidos.
Então a Terra foi abalada e tremeu;
os fundamentos dos céus abalaram-se,
por causa da sua ira.
Saiu fumo do seu rosto, da sua boca um fogo devorador,
que tudo consumia, e punha as brasas a arder.
10 Fez baixar os céus e desceu,
andando sobre espessas nuvens.
11 Voou sobre um querubim,
sobre as asas do vento.
12 As trevas rodearam-no,
espessas nuvens o circundaram;
13 Com o brilho da sua presença
acendiam-se centelhas de fogo.
14 O Senhor trovejou desde os céus;
o Deus supremo fez ecoar a sua voz.
15 Disparou as suas frechas de luz
e dispersou os inimigos.
16 Pelo sopro da sua respiração
até o mar se dividiu em dois,
e viu-se o fundo das águas
pela repreensão do Senhor.

17 Desde o alto me livrou,
salvou-me de ser levado pelas vagas.
18 Libertou-me do meu poderoso inimigo,
daqueles que me odiavam,
dos que tinham muito mais força do que eu.
19 Saltaram sobre mim no dia da calamidade,
mas o Senhor foi a minha proteção.
20 Fez-me reaver a liberdade;
resgatou-me, porque me amava.

21 O Senhor recompensou-me,
conforme a minha retidão,
porque tinha as mãos limpas.
22 Guardei os caminhos do Senhor;
não me afastei impiamente do meu Deus.
23 Tive sempre presentes as suas leis;
não me desviei dos seus estatutos.
24 Fui sempre reto perante ele
e fugi do pecado.
25 Por isso, o Senhor atendeu à minha justiça,
pois viu que eu estava limpo.

26 Tu és misericordioso para com os misericordiosos;
revelas a tua retidão para com os que são retos.
27 Com os puros, mostras-te puro,
mas astuto com os perversos.
28 Tu salvas os que estão aflitos,
mas abates os orgulhosos,
pois tens os olhos sempre postos neles.
29 Senhor, tu és a minha luz!
Transformas em luz a minha escuridão.
30 Pelo teu poder posso esmagar um exército;
pela tua força saltarei muralhas.

31 O caminho de Deus é reto.
A palavra do Senhor é verdade;
é um escudo para os que procuram a sua proteção.
32 Só o Senhor é Deus.
Quem é como um rochedo senão o nosso Deus?
33 Deus é a minha poderosa fortaleza;
faz-me andar em perfeita segurança.
34 Faz com que caminhe com passo bem firme,
como as gazelas sobre os cumes.
35 Torna-me hábil nos combates,
dá-me força capaz de dobrar um arco de bronze;
36 Deste-me o escudo da tua salvação;
pela tua bondade me engrandeceste.
37 Fizeste-me andar sobre caminhos planos,
onde os meus pés não vacilaram.

38 Persegui os meus inimigos e os destruí;
não desisti sem os derrotar.
39 Consumi-os e destrocei-os
de tal forma que mais nenhum deles se poderá levantar.
Caíram debaixo dos meus pés.
40 Pois deste-me força para a batalha.
Fizeste com que subjugasse
todos os que se levantaram contra mim.
41 Obrigaste os meus inimigos a retroceder e fugir;
destruí todos os que me odiavam.
42 Pediram ajuda, mas ninguém os auxiliou;
clamaram ao Senhor, mas recusou ouvi-los.
43 Pisei-os como o pó do chão,
esmaguei-os e dispersei-os,
como pó pelas ruas.

44 Guardaste-me da rebelião do meu povo;
livraste-me para que seja cabeça das nações.
Estrangeiros me servirão.
45 Em breve me serão sujeitos,
quando ouvirem falar do meu poder.
46 Perderão a altivez
e virão a tremer, lá dos seus esconderijos.

47 O Senhor vive!
Bendito seja aquele que é o meu rochedo.
Que Deus seja louvado,
aquele que é a rocha da minha salvação!
48 Ele é o Deus que por mim faz vingança,
que destrói os que se levantam contra mim.
49 Resgataste-me dos meus adversários.
Sim, tu levantaste-me em segurança,
acima das suas cabeças.
Livraste-me da violência.
50 Por isso, Senhor, dar-te-ei graças entre as nações,
e cantarei louvores ao teu nome.

51 Ele deu uma maravilhosa salvação ao seu rei;
manifestou misericórdia ao seu ungido,
        a David e à sua família, para sempre.”

As últimas palavras de David

23 Estas foram as últimas palavras de David:

“Diz assim David, o filho de Jessé,
o homem a quem Deus deu tanto sucesso,
o ungido do Deus de Jacob,
o suave salmista de Israel.

O Espírito do Senhor falou por mim,
a sua palavra estava na minha boca.
Disse-me assim a rocha de Israel:
‘Aquele que governa com toda a justiça,
que administra no temor de Deus,
é como a luz da manhã,
como uma esplêndida alvorada,
quando a tenra erva brota do solo,
sob o calor do Sol, depois da chuva.’

Foi igualmente a minha família que ele escolheu!
Sim, Deus estabeleceu uma aliança eterna comigo;
está selada com o seu acordo eterno.
Zelará constantemente pela minha segurança
e pelo meu sucesso.
Os ímpios são como espinhos
que se lançam para longe;
rasgam a mão de quem lhes pega.
Tem de se estar protegido para os apanhar,
e para serem lançados no fogo.”

Os grandes chefes militares de David

(1 Cr 11.10-41)

São os seguintes os nomes dos três homens mais valentes que David teve, os mais heróicos soldados do seu exército: O primeiro foi Josebe-Bassebete, de Taquemoni, também conhecido por Adino, o eznita; certa vez matou 800 homens numa só batalha.

Depois é Eleazar, o filho de Dodo e neto de Aoí. Foi um dos três homens que, com David, enfrentaram os filisteus daquela vez que o exército de Israel fugiu. 10 Matou filisteus, até que a sua mão, de cansada, já lhe doía ao segurar a espada; o Senhor deu-lhe uma grande vitória. O resto do exército só voltou na altura de recolher o despojo.

11-12 A seguir, vem Samá, filho de Agé, de Harar. Uma vez, no decorrer dum ataque filisteu, quando todos os seus homens o tinham deixado só e fugido, ficou sozinho no meio dum campo de lentilhas e conseguiu pôr em debandada os filisteus. Também a este o Senhor deu uma grande vitória.

13 Um dia, quando David vivia na caverna de Adulão e os invasores filisteus estavam no vale de Refaim, três dos trinta oficiais comandantes do exército israelita desceram no tempo da sega para o visitar. 14 No momento do acontecimento David encontrava-se numa fortaleza. Uns guerreiros filisteus tinham ocupado Belém. 15 A certa altura, David expressou o seguinte desejo: “Quem me dera poder beber da água daquele poço de Belém que está junto à porta!” 16 Então esses três homens romperam através desse posto avançado dos filisteus, tiraram água do poço e trouxeram-na a David! Contudo, David recusou; em vez de a beber, derramou-a como oferta perante o Senhor. 17 E disse: “Nunca faria tal coisa, Senhor! Nunca beberia uma água que afinal representa o sangue destes homens que arriscaram as suas vidas para a ir buscar!”

18 Também Abisai, irmão de Joabe, filho de Zeruía, foi comandante dos trinta. Certa vez, só com a sua lança, matou 300 soldados inimigos. 19 Foi por tais feitos que ele ganhou uma reputação semelhante à daqueles três homens, ainda que não fosse igual a eles. Entre o corpo dos trinta comandantes, ele era o chefe.

20 Havia também Benaia, filho de Jeoiada, um valente soldado de Cabzeel. Benaia matou os dois filhos de Ariel de Moabe. Noutra altura, entrou numa gruta e a despeito do chão estar muito escorregadio, por causa da neve gelada, pegou num leão que ali se tinha abrigado e matou-o. 21 Noutra ocasião ainda, tendo na mão unicamente uma vara, matou um soldado egípcio armado com uma lança; conseguiu arrancar-lha e com ela matou o egípcio. 22 Estes foram alguns dos feitos que deram a Benaia, filho de Jeoiada, quase tanta fama como a dos três primeiros. 23 Era muito famoso entre os trinta, mas não pode rivalizar com o grupo dos três. David fê-lo capitão da sua guarda pessoal.

24 Asael, irmão de Joabe, era também um dos trinta comandantes. Os outros eram:

El-Hanã, filho de Dodo, de Belém;

25 Samá de Harode;

Elica também de Harode;

26 Helez de Palti;

Ira, filho de Iques, de Tecoa;

27 Abiezer de Anatote;

Mebunai de Husate;

28 Zalmom o aoíta;

Maarai de Netofá;

29 Helebe, filho de Baaná, de Netofá;

Itai, filho de Ribai, de Gibeá, da tribo de Benjamim;

30 Benaia de Piraton;

Hidai do ribeiro de Gaás;

31 Abi-Albom de Arbate;

Azmavete de Baurim;

32 Eliaba de Saalbom;

Os filhos de Jasen;

Jónatas, filho de Sage, de Harar;

33 Samá de Harar;

Aião, filho de Sarar, de Harar;

34 Elifelete, filho se Aasbai, de Maacá;

Eliam, filho de Aitofel, de Gilo;

35 Hezro do Carmelo;

Paarai de Arba;

36 Igal, filho de Natã, de Zobá;

Bani de Gad;

37 Zeleque de Amon;

Naarai de Beerote, o que levava as armas de Joabe, o filho de Zeruía;

38 Ira de Itra;

Garebe de Itra;

39 Urias, o hitita.

Trinta e sete ao todo.

David manda fazer um recenseamento

(1 Cr 21.1-17)

24 A ira do Senhor tornou a acender-se contra Israel e David foi levado a tomar uma decisão que trouxe uma desgraça para o povo: fazer um recenseamento de Israel e Judá.

O rei disse a Joabe, comandante do seu exército: “Faz o recenseamento geral de toda a população, desde Dan até Berseba, para que se saiba quantos são ao todo.”

Joabe replicou: “Que o Senhor, teu Deus, permita que vivas o bastante para veres este povo multiplicado cem vezes neste reino! Que interesse tens tu nesse recenseamento?”

A vontade do rei prevaleceu contra a argumentação de Joabe. Este, acompanhado de outros oficiais do exército, começou a tarefa da contagem do povo de Israel.

Primeiramente atravessaram o Jordão e instalaram-se em Aroer, a sul da cidade que fica no meio do vale de Gad, junto de Jazer. Depois foram para Gileade, na terra de Tatim-Hodchi, para Dan-Jaã e para os arredores de Sídon. Seguidamente, deslocaram-se para a fortaleza de Tiro e para todas as cidades dos heveus e dos cananeus e depois para o sul de Judá até Berseba. Passaram pela terra toda, tendo completado a sua missão em nove meses e vinte dias. Joabe trouxe o número total do povo ao rei: eram 800 000 homens em idade de serviço militar em Israel e 500 000 em Judá.

10 Após ter mandado fazer o recenseamento, a consciência de David começou a acusá-lo e disse ao Senhor: “Pequei gravemente ao fazer tal coisa. Peço-te que me perdoes, porque reconheço que agi loucamente.”

11 Na manhã seguinte, quando David se levantou, veio a palavra do Senhor ao profeta Gad, vidente de David. O Senhor disse a Gad: 12 “Vai dizer a David: O Senhor propõe-te três coisas; escolhe a que preferes.”

13 Gad veio ter com David e perguntou-lhe: “Preferes sete anos de fome em toda a terra, ou fugir diante dos teus inimigos durante três meses, ou que haja três dias de praga na tua terra? Pensa nisto e depois dá-me uma resposta, para que a transmita a quem me enviou.”

14 “É uma decisão muito difícil”, respondeu David. “É melhor cair nas mãos do Senhor, porque grande é a sua misericórdia, do que nas mãos dos homens.”

15 Então o Senhor enviou uma praga sobre Israel naquela manhã, que durou três dias, e morreram 70 000 pessoas desde Dan, no norte, até Berseba, no sul. 16 Quando o anjo do Senhor se preparava para estender a sua mão sobre Jerusalém para a destruir, por causa da grande compaixão que sentiu, o Senhor ordenou ao anjo destruidor: “Para! Já basta!” O anjo do Senhor estava sobre a eira de Arauna, o jebuseu.

17 Quando David viu o anjo, disse ao Senhor: “Senhor, eu sou o único culpado deste pecado! Estas ovelhas nada fizeram! Destrói-me a mim e à minha família.”

David constrói um altar

(1 Cr 21.18-27)

18 Nesse dia, Gad foi ter com David e disse-lhe: “Sobe à eira de Arauna, o jebuseu, e constrói ali um altar ao Senhor.”

19 David pôs-se logo a caminho, como o Senhor lhe tinha ordenado por intermédio de Gad. 20 Quando Arauna viu o rei e os seus homens virem na sua direção, foi e inclinou-se com o rosto no chão perante o rei. 21 “Porque vieste aqui?”, perguntou Arauna. David respondeu: “Para te comprar a eira e construir ali um altar ao Senhor, a fim de que cesse esta praga.”

22 Arauna disse-lhe: “Fica já com ela, meu senhor, e usa-a como bem entenderes. Estão aqui bois para o holocausto e podes usar o carro e os jugos dos bois como madeira para o fogo do altar. 23 Tudo te dou. Assim, o Senhor Deus aceite o teu sacrifício.”

24 “Não”, disse David. “Quero comprar-ta pelo seu preço, pois não oferecerei ao Senhor, meu Deus, holocaustos que nada me custem.” David pagou-lhe então 50 peças de prata pela eira e pelos bois; 25 Construiu ali um altar ao Senhor e sacrificou holocaustos e ofertas de paz sobre ele.

O Senhor respondeu à sua oração e a praga cessou.

O Livro (OL)

O Livro Copyright © 2000 by Biblica, Inc.® Used by permission. All rights reserved worldwide.

  Back

1 of 1

You'll get this book and many others when you join Bible Gateway Plus. Learn more

Viewing of
Cross references
Footnotes