A A A A A
Bible Book List

1 Coríntios 9-11O Livro (OL)

Os direitos de um apóstolo

Eu sou um apóstolo. Não é pois a meros homens que tenho de prestar contas. Eu vi Jesus Cristo nosso Senhor com os meus próprios olhos. E as vossas vidas transformadas são o resultado do meu trabalho para Deus. Se, na opinião de outros, eu não sou apóstolo, certamente que o sou para vocês, porque foram ganhos para Cristo por meu intermédio.

Esta é a minha resposta àqueles que põem em questão a minha autoridade como apóstolo. Será que eu não tenho direito de ter o mesmo acolhimento que os outros quando são recebidos nas vossas casas? Não temos nós o direito de levar connosco uma mulher crente nas viagens que fazemos, tal como os outros discípulos, e os irmãos do Senhor, e Pedro? Só Barnabé e eu é que devemos trabalhar para ganhar o nosso sustento? Qual é o soldado no exército que paga as suas próprias despesas? Alguma vez já ouviram de um agricultor que depois da colheita não tenha o direito de comer dela? Qual o pastor que não tenha direito de beber do leite do seu rebanho?

Nem o que eu estou aqui a dizer são meras considerações humanas. Trata­se daquilo que diz a própria lei de Deus. Porque na lei que Deus deu a Moisés está escrito: “Não ponhas uma mordaça na boca de um boi para impedir que coma do trigo que está a trilhar”. Acham vocês que Deus estava a pensar apenas nos bois quando disse isto? 10 Não se referia também a nós? Com certeza que sim. Tal como aqueles que lavram a terra e que debulham o trigo devem contar em receber parte da colheita, os obreiros cristãos devem ser pagos pelos crentes a quem servem.

11 Nós plantámos a semente espiritual nas vossas almas. Será pois muito esperar em troca apoio material? 12 Se já o fizeram a outros que têm pregado no vosso meio, não deveríamos nós também ter esse direito, ainda mais do que eles? E no entanto nunca o reclamámos, mas sempre suprimos nós próprios às nossas necessidades. E isto para não levantar qualquer obstáculo à acção do evangelho de Cristo no vosso meio.

13 Vocês bem sabem que Deus mandou que os que servissem no seu templo tomassem para seu próprio sustento parte dos produtos alimentares que eram trazidos como oferta? Igualmente os que se ocupavam do altar de Deus recebiam para si uma porção dos alimentos que ali eram oferecidos. 14 Da mesma forma, o Senhor manda que aqueles que pregam as boas novas sejam mantidos pelos que o aceitam.

15 E contudo nunca vos pedi fosse o que fosse. Nem tão­pouco estou a escrever estas coisas para dar a entender que gostaria que se começasse agora a fazer assim comigo. A verdade é que preferiria morrer de fome do que perder a satisfação que me dá o facto de vos ter pregado sem nunca ter recebido nada vosso. 16 Por pregar boas novas não me posso por isso vangloriar. É Deus quem me obriga a pregar. Ai de mim se não o fizer!

17 Se eu estivesse a fazer isso de minha livre vontade, então receberia um salário. Mas é que foi Deus quem me impôs este dever. 18 Sendo assim, qual será a minha paga? É o sentimento de profunda satisfação em anunciar as boas novas, sem encargos seja para quem for, sem reclamar aquilo que seria o meu direito.

19 Assim, estando livre em relação seja a quem for, tornei­me servo de todos, para que possa levar todos a Cristo. 20 Quando eu estou com os judeus torno­me um deles para que possa conduzi­los a Cristo. Quando estou entre aqueles que seguem as leis judaicas, faço o mesmo, embora eu não esteja sujeito à lei, isto para que possa conduzi­los a Cristo. 21 Quando estou entre os gentios que não seguem a lei judaica, eu ligo­me com eles tanto quanto posso. Desta maneira, eu ganho a sua confiança e levo­os a Cristo. Não rejeito a lei de Deus, mas sim obedeço à lei de Cristo.

22 Com aqueles cujas consciências facilmente os inquietam, procuro pôr­me no lugar deles, para os ajudar. Desse modo, seja com que tipo de pessoa for, procuro encontrar um plano comum de entendimento com ela para que, por qualquer meio, Cristo a salve. 23 Faço­o não só para lhes levar o evangelho, mas também pela bênção que para mim representa vê­los vir até Cristo.

24 Numa corrida, são vários os que correm, mas um só ganha o prémio. Que cada um de vocês corra como se fosse aquele que vai ganhar. 25 Os atletas renunciam a tudo para afinal vir a ganhar um prémio corruptível, mas nós fazemo­lo por um prémio divino que nunca mais perderá o seu valor. 26 Portanto corro direito ao alvo, não às cegas. Neste combate eu luto para ganhar. Não luto contra figuras imaginárias. 27 Mas sujeito o corpo a uma dura disciplina e a um tratamento rude. De outra maneira receio que, depois de ter pregado Cristo aos outros, eu próprio não venha a ser desclassificado.

Avisos contra idolatria

10 Porque não esqueçamos, irmãos, o que aconteceu aos nossos antepassados israelitas, no deserto, onde Deus os guiou, enviando uma nuvem que se movia à frente deles; e assim os conduziu com segurança através do Mar Vermelho. Isto podia considerar­se o seu baptismo — um baptismo tanto na água como na nuvem — na qualidade de seguidores de Moisés. 3/4 E tiveram alimentos e bebida durante a sua travessia do deserto. Beberam da água que jorrou da rocha poderosa que era Cristo, o qual ali estava com eles, renovando­os espiritualmente. E mesmo assim depois de tudo isto muitos não obtiveram a aprovação de Deus e foram destruídos no deserto.

6/7 A lição que daqui tiramos é que não devemos desejar coisas más, como eles fizeram, nem cair na idolatria, como alguns deles caíram. As Escrituras dizem­nos que “o povo descansou a comer e a beber e depois pôs­se a dançar”. Outra lição para nós é o que aconteceu quando alguns deles pecaram com as mulheres de outro povo, e num só dia morreram 23.000. E não ponham à prova a paciência do Senhor, como eles ousaram fazer, e pereceram mordidos por serpentes. 10 E não protestem contra Deus como alguns deles fizeram, porque foi por isso que Deus enviou o seu anjo e eles foram mortos. 11 Todas essas coisas que lhes aconteceram são para nós lições; e foram postas por escrito para nosso aviso, nós que vivemos nestes tempos em que todas as coisas convergem para o fim que se aproxima.

12 Por isso tenham cuidado. Se estão a pensar que estão firmes, olhem que podem também cair nos mesmos pecados. 13 Mas lembrem­se que as tentações que vêm às vossas vidas não são diferentes daquelas que outros experimentam. E Deus é fiel. Ele não deixará que a tentação seja tão forte que vocês não a possam enfrentar. Quando forem tentados, ele vai mostrar uma saída para que a possam suportar.

14 Por isso queridos amigos, fujam da idolatria. 15 Falo­vos como a pessoas que sabem entender as coisas. Vejam vocês mesmos se o que vou dizer­vos está certo ou não. 16 Quando pedimos a bênção de Deus sobre o vinho que tomamos na ceia do Senhor, isso significa que todos os que bebem dele partilham juntos da bênção do sangue de Cristo. 17 De igual forma, quando na mesma ocasião se reparte o pão para ser comido por todos, isso manifesta que participamos juntamente nos benefícios espirituais do corpo de Cristo. E todos comemos do mesmo pão, mostrando assim que somos parte do corpo único de Cristo. 18 O mesmo acontecia com o povo de Israel; todos os que comiam dos sacrifícios oferecidos ao Senhor estavam unidos por esse mesmo acto.

19 Que quero eu então dizer com isto? É que os ídolos não têm em si vida alguma, não são realmente deuses nenhuns, e que os sacrifícios que lhes são trazidos não têm valor algum. 20 Contudo esses sacrifícios são oferecidos aos demónios e não a Deus. E eu não queria que algum de vocês tivesse qualquer espécie de comunhão com os demónios. 21 Não podem beber, ao mesmo tempo, na ceia do Senhor e na mesa dos demónios. Não podem comer o pão da mesa do Senhor, e depois ir tomar da comida dos demónios. 22 Pois quê? Iríamos nós levar o Senhor a irritar­se contra nós como Israel fez? Pensamos nós que poderíamos teimar com ele?

A liberdade do crente

23 Podem dizer: “Tudo me é permitido”, mas nem tudo convém. “Tudo me é permitido”, mas nem tudo é bom para a minha formação. 24 E não procurem unicamente as vossas conveniências. Pensem também no que é o melhor para os outros.

25 Portanto devem fazer assim: no mercado, levem de qualquer carne que ali esteja a ser vendida, e sem perguntar se foi ou não consagrada aos ídolos, para que não se levantem escrúpulos na vossa consciência. 26 Porque “a terra toda e tudo o que nela há pertence ao Senhor”.

27 Se alguém que não é cristão vos convida a comer, podem muito bem aceitar se assim o desejarem. E então comam de tudo o que for servido, sem levantar questões sobre isso, para evitar que a vossa consciência seja perturbada. 28 Mas se alguém vos avisar que essa carne foi consagrada a um ídolo, então nesse caso não a comam, mas isso mais por causa da pessoa que vos avisou e da consciência dela. 29 Porque nessa altura o que está em causa não é o que vocês pensam mas o que ela pode pensar do assunto.

30 Mas alguém poderá perguntar: “Se eu posso dar graças a Deus por esse alimento, por que hei­de eu deixar que alguém me venha perturbar só porque julga que estou errado?” 31 É porque tudo o que fazemos deve ser para a glória de Deus, mesmo o comer ou o beber. 32 E assim não sejam vocês um meio de fazer tropeçar o vosso próximo, seja ele judeu, gentio ou cristão. 33 É assim que eu faço também. Procuro agradar a toda a gente naquilo que faço, não actuando segundo o que mais me agrada, mas segundo o que mais convém aos outros, a fim de que sejam salvos.

11 E vocês devem seguir o meu exemplo, tal como eu sigo o de Cristo.

Instruções para a reunião da igreja

Estou muito contente, irmãos, por me terem sempre no vosso pensamento e por fazerem tudo quanto vos tenho ensinado. Mas há um assunto que quero que saibam: é que Cristo tem autoridade sobre todos os homens. O marido tem autoridade sobre a mulher. Deus tem autoridade sobre Cristo. É por isso que se um homem cobre a cabeça, quando está a orar ou a pregar, desonra Cristo. E uma mulher que, em público, ora ou fala em nome de Deus com a cabeça descoberta desconsidera o seu marido, porque é como se tivesse a cabeça rapada. E se ela recusar cobrir­se, então que rape o cabelo. Mas se é uma vergonha uma mulher ter a cabeça rapada, então que a cubra. Mas um homem não deverá ter nada na cabeça enquanto está a cultuar. O homem, feito à imagem de Deus, reflecte a sua honra, e a mulher é o reflexo da honra do homem. Com efeito, o primeiro homem não foi tirado da mulher, mas a primeira mulher foi tirada do homem. E Adão, o primeiro homem, não foi feito para benefício de Eva; mas Eva sim foi feita para Adão. 10 Assim uma mulher deveria usar a cabeça coberta como sinal de que reconhece a autoridade do marido, um facto que todos os anjos constatam.

11 Mas nos relacionamentos entre o povo do Senhor, o homem e a mulher precisam um do outro. 12 Porque se é verdade que a primeira mulher veio do homem, contudo todos os homens, desde então, nasceram de mulheres, e ambos, homens e mulheres, foram criados por Deus.

13/15 Vejam vocês mesmos: na vossa opinião será certo que uma mulher ore em público com a cabeça descoberta? Porque as mulheres sentem orgulho no comprimento do seu cabelo, que lhe foi dado como um véu, enquanto os homens têm tendência para não se sentirem à vontade com o cabelo muito comprido e semelhante ao das mulheres. 16 E a quem quiser continuar a levantar discussões, nós dizemos que é assim que pensamos — nós, e também as igrejas de Deus.

A ceia do Senhor

17 E agora há um outro assunto em que não vos posso elogiar. Consta que quando se reúnem, é maior o prejuízo do que a bênção recebida. 18 Ouço falar nas divisões que se manifestam nas vossas reuniões, e em parte acredito. 19 Mas eu até creio que é importante que isso aconteça para que sejam conhecidos os que estão certos.

20/21 Afinal quando se juntam, não é para participar na ceia do Senhor; é para tomarem a vossa própria refeição. E assim cada um procura servir­se sem esperar por repartir com os outros, de tal forma que uns não comem o suficiente e outros excedem­se! 22 Não poderiam vocês comer e beber cada um na sua casa segundo a fome que tiverem, de forma a evitar esta vergonha para a igreja e a humilhação que representa para o pobre ter que se retirar sem comer? Que esperam vocês que eu diga sobre isto? Não contem que venha elogiar­vos!

23/24 Eu recebi do Senhor o que já antes vos tinha transmitido: Na noite em que foi traído, o Senhor Jesus tomou o pão, e depois de ter dado graças, partiu­o dizendo: “Tomem e comam­no; isto é o meu corpo, que é partido em vosso favor. Façam isto para se lembrarem de mim.” 25 De igual modo, pegou na taça de vinho, no fim da ceia, e disse: “Esta taça é o novo contrato entre Deus e vocês, estabelecido por meio do meu sangue. Façam isto, todas as vezes que beberem, em lembrança de mim.” 26 Porque de cada vez que comerem este pão e beberem este vinho estão a anunciar a mensagem da morte do Senhor. Façam pois isto até que ele volte.

27 Por isso, se alguém come deste pão e bebe deste vinho de uma maneira indigna, torna­se culpado de pecado contra o corpo e o sangue do Senhor. 28 É por isso que cada um se deve examinar cuidadosamente antes de tomar este pão e de beber desta taça. 29 Porque se o fizer indignamente, não distinguindo o corpo do Senhor, está a comer e a beber para sua própria condenação. 30 É por isso que há no vosso meio muitos fracos e doentes e muitos já morreram.

31 Mas se cada um se examinar cuidadosamente evitará então que seja julgado por Deus. 32 Contudo, quando somos julgados e castigados pelo Senhor, é para não sermos condenados com o resto do mundo. 33 Sendo assim, irmãos, quando se juntarem à mesa do Senhor, esperem uns pelos outros. 34 Se alguém tem realmente fome, deve comer em casa, para não atrair castigo sobre si próprio quando estiverem todos reunidos.

Quanto aos outros assuntos, falarei sobre eles convosco quando aí chegar.

O Livro (OL)

O Livro Copyright © 2000 by Biblica, Inc.® Used by permission. All rights reserved worldwide.

  Back

1 of 1

You'll get this book and many others when you join Bible Gateway Plus. Learn more

Viewing of
Cross references
Footnotes