A A A A A
Bible Book List

1 Reis 8O Livro (OL)

A transferência da arca para o templo

1/2 Então o rei fez uma convocação para uma grande assembleia, em Jerusalém, de todos os chefes de Israel — cabeças de tribos e de famílias — para assistirem à transferência da arca da aliança do Senhor do tabernáculo, em Sião, a cidade de David, para o templo. Esta celebração ocorreu por ocasião da festa do tabernáculo, no mês de Outubro. Durante estas festividades os sacerdotes transportaram a arca para o templo, e ainda todos os recipientes sagrados que tinham estado no tabernáculo. O rei Salomão e todo o povo se juntou na frente da arca, sacrificando um sem número de cordeiros e de bois.

6/9 Os sacerdotes pegaram na arca e levaram-na para o interior do templo para o lugar santíssimo, colocando-a debaixo das asas dos querubins. Estes tinham sido construídos de tal forma que as asas se abriam sobre o lugar em que a arca se encontrava; dessa forma as asas faziam sombra sobre a arca e sobre os varais para o transportar. Estes eram tão compridos que ultrapassavam os anjos e podiam ser vistos da sala anterior, embora não se vissem do pátio exterior; ali ficaram até ao dia de hoje. Nessa altura nada havia na arca além das duas tábuas da lei que Moisés pôs lá dentro, quando no Monte Horebe o Senhor fez a aliança com o povo de Israel ao sair do Egipto.

10/11 Quando os sacerdotes sairam do santuário interior uma nuvem luminosa saiu do templo! Os sacerdotes não podiam cumprir o seu serviço porque a glória do Senhor enchia o santuário todo!

12/13 O rei Salomão fez o seguinte discurso: “O Senhor disse que habitaria nas trevas; Mas, ó Senhor, eu edifiquei-te uma morada aqui na terra, um lugar para viveres para sempre.”

14 Depois, o monarca virou-se para o povo, que se mantinha de pé, e abençoou-o. 15/16 “Bendito seja o Senhor Deus de Israel,que fez hoje o que prometeu ao meu pai David,visto que lhe disse: ‘Quando trouxe o meu povo do Egipto,não indiquei nenhum lugar para edificação do meu templo,mas nomeei um homem que fosse o líder do meu povo.’Este foi o meu pai David.

17/19 Ele quis construir um templo para o Senhor Deus de Israel, mas o Senhor disse-lhe que não. ‘Estou satisfeito que queiras fazê-lo, mas é o teu filho quem realizará tal coisa.’

20/21 Agora o Senhor cumpriu com o que prometeu, porque sucedi ao meu pai, como rei em Israel e agora este templo foi construído para o Senhor Deus de Israel. Preparei um lugar no templo para a arca, que contém a aliança que o Senhor fez com os nossos pais, quando os tirou da terra do Egipto.”

A oração de Salomão

22/26 Seguidamente Salomão, sempre na frente de todo o povo, pôs-se diante do altar do Senhor, com as mãos estendidas para os céus, e disse: “Senhor Deus de Israel, não há outro deus como tu, no céu nem na Terra, tu és misericordioso e bom, e cumpres as promessas que fazes aos teus filhos se eles fizerem de todo o seu coração a tua vontade. Neste dia cumpriste a promessa que fizeste ao meu pai David, que era o teu servo; e agora, ó Senhor Deus de Israel, cumpre igualmente o resto da tua promessa: de que se os seus descendentes andassem nos teus caminhos e se esforçassem por cumprir a tua vontade, tal como ele fez, um deles estaria sempre no trono de Israel. Sim, ó Deus de Israel, cumpre esta promessa também.

27/30 Mas será realmente possível que Deus viva na Terra? Como é que isso pode ser se nem os céus, os mais altos céus, podem contê-lo? Portanto, muito menos este templo que mandei construir! Mesmo assim, ó Senhor meu Deus, tu ouviste e respondeste ao meu pedido.Peço-te que noite e dia veles sobre este templo — este lugar em que prometeste que viverias — e quando me virar para o templo e orar, seja de dia ou de noite, ouve-me e responde-me. Ouve qualquer súplica que o povo de Israel te dirigir, sempre que se virarem para este lugar para orarem; sim, ouve, desde os céus, onde vives; e quando ouvires, perdoa.

31/32 Se alguém for acusado de ter praticado qualquer maldade, e se se puser aqui diante do teu altar jurando que não a praticou, ouve-o desde os céus e exerce a tua justiça; julga-o conforme tiver ou não praticado o mal.

33/34 Quando o teu povo pecar e os seus inimigos o derrotarem, ouve-os desde os céus e perdoa-lhes, se eles se arrependerem, se voltarem para ti e confessarem que és o seu Deus. Trá-los de novo a esta terra que deste aos seus pais.

35/36 Quando os céus se fecharem e não houver chuva, por eles terem pecado, ouve-os dos céus e perdoa-lhes quando orarem virados para este lugar, e confessarem o teu nome. Depois de os teres castigado, ajuda-os a seguirem caminhos rectos, nos quais deverão sempre andar, e envia-lhes chuva sobre a terra que deste ao teu povo.

37/40 Se houver fome provocada por doenças nas plantas, por pragas de insectos ou outros bichos nocivos, se os inimigos de Israel atacarem as suas cidades, se o povo for ferido por alguma praga ou epidemia, ou por outra coisa qualquer, nessa altura, quando o povo se converter dos seus pecados e orar, voltado para este templo, ouve-os então desde os céus, perdoa-lhes e responde a todos os que tiverem sido sinceros na sua confissão; porque tu conheces o coração de cada pessoa. Desta maneira aprenderão a reverenciar-te sempre, enquanto viverem nesta terra que deste aos seus pais.

41/43 Quando estrangeiros ouvirem falar no teu grande nome e vierem de terras distantes para te adorar, atraídos pelo prestígio glorioso que tem o teu nome, e pela grandeza dos teus milagres, se orarem voltados para este templo, ouve-os desde os céus e responde às suas orações. Todas as nações da Terra te conhecerão e temerão o teu nome, tal como o teu próprio povo de Israel; toda a Terra saberá que este é o teu templo.

44/45 Quando enviares o teu povo lutar contra os seus inimigos e eles orarem a ti, olhando na direcção da cidade que escolheste — Jerusalém — e na deste templo que fiz construir para honra do teu nome, ouve as suas orações e socorre-os.

46/51 Quando pecarem contra ti — e não há ninguém que não peque — se a tua ira se acender contra eles permitindo que os seus inimigos os levem como cativos para alguma terra estrangeira, longe ou mesmo perto, se reconsiderarem nos seus corações e se converterem, suplicando-te dizendo: ‘Pecámos; agimos perversamente’, se com toda a sinceridade se voltarem para ti e orarem, na direcção desta terra que deste aos seus antepassados, e na direcção desta cidade de Jerusalém, que escolheste, e na direcção deste templo, que fiz construir em honra do teu nome, ouve as suas orações e rogos desde os céus em que vives, e vem em seu auxílio. Perdoa ao teu povo todas as suas maldades e torna os seus opressores misericordiosos para com eles; pois são o teu povo — são a tua possessão que resgataste da fornalha do Egipto.

52/53 Que os teus olhos estejam atentos e os teus ouvidos abertos perante os seus clamores. Ó Senhor, escuta e responde quando te invocarem, pois que quando tiraste os nossos pais da terra do Egipto, disseste ao teu servo Moisés que escolheras Israel de entre todas as nações da Terra, para serem o teu povo eleito.”

54/55 Salomão tinha-se mantido de joelhos e com as mãos estendidas para o céu. Ao terminar esta oração, levantou-se de diante do altar de Jeová e lançou, em voz bem alta, esta bênção sobre o povo de Israel: 56/61 “Bendito seja o Senhor que cumpriu a sua promessa de dar repouso ao povo de Israel, não falhou nem uma palavra de todas as maravilhosas promessas transmitidas através do seu servo Moisés. Que o Senhor nosso Deus seja connosco tal como foi com os nossos pais.Que nunca nos desampare. Que nos dê vontade para cumprir toda a sua vontade e obedecer a todos os seus mandamentos e a todas as instruções que deu aos nossos antepassados. Que as palavras da minha oração lhe sejam sempre presentes, dia e noite, para que me possa amparar, assim como a todo o Israel, de acordo com as nossas necessidades diárias. Que toda a gente em todo o mundo fique sabendo que o Senhor é Deus, e que não há outro. Ó meu povo, que possas viver com rectidão e honestidade perante o Senhor nosso Deus, e obedecer às suas leis e mandamentos, tal como hoje está a acontecer.”

A consagração do templo

62/64 O rei e todo o povo consagraram o templo, oferecendo sacrifícios de paz ao Senhor, num total de vinte duas mil vacas e cento e vinte mil ovelhas. Como medida temporária o monarca santificou o pátio em frente do templo, para ali fazer os sacrifícios de holocaustos, as ofertas de cereais, e apresentar a gordura das ofertas de paz, visto que o altar de bronze era demasiado pequeno para tantos sacrifícios.

65/69 Toda aquela celebração durou catorze dias e veio ali uma grande multidão de uma extremidade à outra da terra. No fim de tudo, Salomão despediu a gente, que regressou a casa, feliz por toda a bondade que o Senhor tinha demonstrado para com o seu servo David e o seu povo de Israel. E a população abençoou o rei.

O Livro (OL)

O Livro Copyright © 2000 by Biblica, Inc.® Used by permission. All rights reserved worldwide.

  Back

1 of 1

You'll get this book and many others when you join Bible Gateway Plus. Learn more

Viewing of
Cross references
Footnotes